Transnacionais

03/04/2016 21:29

 

 

 As Transnacionais

A globalização do capital e da produção permitiu expandir e consolidar a influência do poder das empresas transnacionais na economia global.

Transnacionais ou multinacionais?

As empresas transnacionais também são conhecidas como multinacionais. No entanto, este último termo, largamente empregado até a década de 1990, está em desuso, pois parece sugerir que essas empresas têm várias nacionalidades.

A importância das transnacionais na economia global

Na atualidade existem milhares de empresas transnacionais, incluindo coreanas, indianas, mexicanas e brasileiras. Elas concentram um poder tão grande que influenciam governos nacionais e condicionam as relações entre os países.

Em razão do poderio econômico das transnacionais na economia global, é cada vez mais difícil para os governos estabelecerem regras para a atuação dessas empresas. Para se ter uma ideia, o volume de negócios e o faturamento anual das maiores transnacionais do mundo equivalem ao Produto Interno Bruto (PIB) de muitos países.

A expansão e a consolidação das transnacionais ocorreram principalmente após a segunda guerra mundial. Foi quando essas empresas, que geralmente atuavam nos países desenvolvidos, passaram a investir em alguns países subdesenvolvidos onde encontravam matéria-prima e mão de obra barata e abundante, sistema fiscal favorável, legislação ambiental e trabalhista moderada ou inexistente, economia de impostos por meio de estratégias fiscais, proximidade do mercado consumidor potencial e energia de baixo custo.

Os países pobres tentam atrair investimentos dessas empresas para possibilitar a criação de empregos.

Transnacionais: concorrência e parceria

Uma das características atuais do processo de transnacionalização das empresas é a concorrência e, ao mesmo tempo, a cooperação entre elas, por meio da formação de trustes, holdings e cartéis.

Petrobras: uma transnacional brasileira

Criada em 1952, a Petrobras (Petróleo Brasileiro S.A.) é a maior empresa genuinamente brasileira. Mesmo tendo registrado prejuízos nos últimos anos, fruto de corrupção e desvio de recursos, somente no ano de 2015, o prejuízo chegou a 34 bilhões de reais. Atua em várias áreas do setor energético, desde a exploração de gás e petróleo até a distribuição, passando pelo refino e abastecimento. São de sua propriedade 132 plataformas de produção (86 fixas e 46 flutuantes), mais de 29 mil quilômetros de dutos, 16 refinarias, frota de 291 navios (sendo 52 de sua propriedade) e mais de 8 mil postos de combustíveis.

Com sede no Rio de Janeiro, está presente em 28 países e é a terceira maior empresa de energia do mundo. Ela também é detentora de uma das tecnologias mais avançadas na exploração de petróleo em águas profundas.

Em 1996, a empresa colocou o Brasil no seleto grupo dos 16 países que produzem mais de um milhão de barris de petróleo por dia. Em 2010 a produção diária chegou a 2,5 milhões de barris de petróleo e a 428 mil barris de gás natural. Hoje somente da área do pré-sal, são extraídos mais de 400 mil barris diários de petróleo.